Wednesday, May 2, 2007

Poesia


Se todo o ser ao vento abandonamos
E sem medo nem do nos destruimos,
Se morremos em tudo o que sentimos
E podemos cantar, e porque estamos
Nus em sangue, embalando a propria dor
Em frente as madrugadas do amor.
Quando a manha brilhar refloriremos
E a alma possuira esse esplendor
Prometido nas formas que perdemos.

Sophia de Mello Breyner Andresen

2 comments:

Ana Luar said...

Um poema renascido da dor... Simplesmente belo!

ShinningMoon said...

Bom dia!
Vai lá visitar o meu blog. Deixei lá um jogo para ti.
Bjitos.